A teoria da batata frita

São tantas bobagens aculumadas que o Quidinei fala que eu sei que não vou lembrar nem de 1/100 delas pra escrever aqui.

Na verdade, não são bobagens… são conclusões de uma lógica sem sentido.

O Quidinei é engenheiro. Engenheiro mecânico. Logo, ele pensa que tudo na vida funciona como se fosse um carro. Inclusive as pessoas.

Teve o dia em que eu voltei do ballet com muita dor no joelho e ele chegou no meu quarto com um prato de batatas fritas.

Vou até pular uma linha e dar a chance a algum interessado de processar mentalmente porque o Quidinei trouxe batatas fritas para o meu joelho machucado.

Spoiler alert,

O Quidinei trouxe batatas fritas para o meu joelho dolorido porque, se era no joelho, provavelmente era FALTA DE ÓLEO NA ARTICULAÇÃO. “Come batata frita que tem que passar” , disse ele.

Contei isso em uma reunião de família, uma vez. Lembro dos meus tios rindo a ponto de não conseguir respirar. Olhei pro lado, o Quidinei sério com as mãos cruzadas. Ele esperou todo mundo parar de rir da rica cara dele, suspirou e disse “mas é lógico!”. E até hoje ele insiste nisso.

É igual com o remédio para o controle do açúcar. No último dia 16 foi aniversário dele. Ele comeu um pote de 2 litros de sorvete de creme COM leite condensado por cima. Eu disse que aquilo matava, ele disse que tomou o remédio pro açúcar. A conversa seguiu assim:

– PAI! (alguns decibéis acima de uma conversa calma) TU ACHAS QUE quando tu tomas o remédio do açúcar, ele simplesmente ANULA todo o açúcar que tu acabastes de comer enlouquecidamente?

– Claro.

– PAIIIIIIII! SE FOSSE ASSIM, POR QUE AS PESSOAS MORRERIAM COM O AÇÚCAR ALTO, FDP, PQP, CARALEO?! TU ACHA QUE SÓ TU CONHECE REMÉDIO PRO AÇÚCAR ALTO E QUE TÁ TODO MUNDO SOFRENDO PORQUE SÃO MAIS BURROS DO QUE TU E NÃO TOMAM O REMÉDIO?

– Claro.

E a mesma coisa serve pro remédio do colesterol, tá?